domingo, 15 de abril de 2018

PRIMEIRA EDIÇÃO DE 15-4-2018 DO 'DA MÍDIA SEM MORDAÇA'

NA COLUNA DO CLÁUDIO HUMBERTO
DOMINGO, 15 DE ABRIL DE 2018
Envolvido em um esquema de corrupção na Secretaria de Saúde do Maranhão, no governo Flávio Dino (PCdoB), o médico Mariano Castro Mendes foi encontrado morto. A primeira versão foi suicídio. Ele estava em prisão domiciliar e deixou um diário detalhando o esquema de corrupção, segundo fontes do Maranhão. No Estado e em Teresina, onde o médico vivia, muitos acham que foi “queima de arquivo”.

O senador Roberto Rocha (PSDB-MA) pediu ao ministro da Justiça a Polícia Federal investigando as circunstâncias do suposto suicídio.

No pedido de investigação externa, Roberto Rocha ressalta o trecho em que Mariano Mendes desabafa: “a culpa não pode ficar só comigo”.

A morte do médico ocorreu dois dias depois da divulgação de uma carta de próprio punho relatando seu esquema na Saúde do Maranhão.

A carta do médico está sob exame minucioso das autoridades policiais, em busca de pistas que as levem a eventuais responsáveis pela morte.

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) pagou o mico de “estar” presidente da República por algumas horas, enquanto o titular do cargo, Michel Temer, dava um pulinho em Lima para participar da Cúpula das Américas. Tão pouco tempo só daria mesmo para que Cármen Lúcia, fosse seu feitio, chamasse amigos e parentes para fazer fotos de recordação no gabinete do 3º andar do Planalto, e nada mais.

Essa tolíssima interinidade foi criada há séculos, quando dignitários em viagem passavam semanas em alto mar, incomunicáveis.

Países sérios não cogitam, nem de longe, que chefes de Estado e de governo em viagem ao exterior abandonem suas responsabilidades.

Até hoje ninguém questionou a validade dos atos firmados lá fora pelo presidente em viagem. Afinal, o presidente de fato ficou em Brasília.

Mudando de ideia sobre prisão em segunda instância, o STF daria um mau passo na consolidação das leis penais, com tanta impunidade reinante, e negaria perenidade à própria interpretação que faz das leis.

Um mês após o crime, a ONG Anistia Internacional cobra agilidade nas investigações da morte de Marielle Franco. Já a crise humanitária na Venezuela bolivariana, há um mês não é assunto para a ONG.

O publicitário André Gustavo, que chegou a ser preso na Lava Jato, tem dito que acertou na loteria ao contratar o advogado José Diniz. Está muito a grato a ele: “tem muito conversador por aí, mas ele é sério, competente e disponível! Melhor que a maioria dos figurões.”

O ex-ministro Aldo Rebelo se filiou ao Solidariedade após Joaquim Barbosa, ministro aposentado do STF, ingressar no PSB para disputar o Planalto. Barbosa sempre manifestou solene desprezo por partidos.

No sistema distrital misto, que voltará à pauta no Congresso, o membro do parlamento é eleito individualmente nos limites geográficos de um distrito. Vence o mais votado, por maioria simples ou absoluta.

Para os investidores, o pior cenário na Bolsa de Valores e no câmbio no Brasil é a eleição de Ciro Gomes (PDT) para presidente. Segundo a XP Investimentos, mais de 65% deles apostam em dólar acima de R$ 4,10 e bolsa abaixo de 70 mil pontos em caso de vitória do ex-ministro.

Termina neste domingo (15) o prazo para que o governo Temer envie ao Congresso o projeto da Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2019. Mas como é fim de semana, detalhes só na semana que vem.

O deputado Cabo Sabino (PR-CE) quer autorizar que tempo na Polícia passe a contar como atividade jurídica. Na prática, não passa de uma manobra para facilitar o ingresso de policiais na Magistratura.

Será tão revelador quanto o best-seller de James Comey, ex-chefe do FBI de Donald Trump, o livro do Leandro Daiello, ex-diretor da PF nos governos Dilma e Lula?

NA COLUNA DO AUGUSTO NUNES
Briga com o guarda
Lula e o PT estão fazendo tudo para piorar a própria imagem
Por J.R. Guzzo
Domingo, 15 abr 2018, 07h15
J.R. Guzzo, publicado no Blog Fatos
Talvez o ex-presidente Lula seja mesmo Deus, enfim revelado ao homem, como ele próprio vive dizendo que é. Esgotados os poderes da Ciência, como diria seu ex-ministro Gilberto Gil, e esgotada toda nossa paciência, eis que ninguém com a cabeça no lugar consegue entender o que ele está fazendo — e, menos ainda, onde quer chegar com o que faz. Nesses casos, a saída geralmente mais prática é chamar a ajuda da fé. Deus, como logo aprende qualquer criança que começa a estudar o catecismo, é conhecido por fazer, ou por permitir que se faça, uma alarmante quantidade de coisas incompreensíveis – algumas delas, com todo o respeito, francamente estúpidas, como guerras mundiais, terremotos ou epidemias de peste negra. Mas somos todos informados, ao mesmo tempo, que não cabe ao ser humano tentar entender o que Deus faz, nem porque faz isso ou deixa de fazer aquilo. Os planos do Senhor são mesmo misteriosos, e em vez de ficar tentando descobrir explicações para eles, a obrigação de todo bom cristão é não perguntar nada e acreditar que Deus está sempre certo. Em resumo: Deus sabe o que faz. Só assim, data máxima vênia, é possível lidar com os feitos de Lula, seu partido e a esquerda nacional desde que sua prisão foi decretada pela Justiça – e, mais ainda, depois que foi realmente preso na Polícia Federal de Curitiba, sem data definida para sair de lá.
Não há nenhum nexo em nada do que estão fazendo – ou, então, Lula tem um plano secreto, que só ele conhece, e que nos será explicado um dia, como se espera que Deus faça quando vier o Fim do Mundo. É claro que, se você for ouvir os analistas que aparecem nos programas políticos da televisão, os formadores de opinião e outros que se apresentam como feras em política, há grande possibilidade de ouvir que o ex-presidente tem uma estratégia muito bem montada, pois gênios como ele sempre têm uma estratégia. 
Não estão entendendo essa quizumba sem precedentes montada em torno dele? Calma, é tudo estratégia. O problema é que cada palpite é diferente do outro, ou até o seu contrário, e não se chega à conclusão nenhuma. O que dá para saber, com certeza, é que Lula e o seu sistema de apoio estão se comportando de maneira desconexa. Deveriam, pela lógica do sujeito comum que nunca é entrevistado por ninguém na mídia, estar fazendo o possível para tentar estabelecer um mínimo de convivência mais produtiva com as autoridades judiciárias e policiais encarregadas de mantê-lo no xadrez – já que ele está preso mesmo, e não vai sair dali fazendo discurso em cima de caminhão de som, que pelo menos se trabalhe, então, por um ambiente mais calmo entre as partes. Isso só poderia facilitar uma futura libertação. Mas tudo o que Lula tem feito, até agora, é promover a mais agressiva hostilidade contra o sistema que está com as chaves da cela. Não faz sentido – a menos, como dito acima, que Lula seja Deus e uma hora dessas resolva derrubar as paredes do prédio da PF em Curitiba e sair andando livre até Brasília, onde vai se declarar Presidente Perpétuo.
Antes de completar uma semana na cadeia, Lula já tinha pedido às autoridades uma esteira ergométrica pessoal, e autorização para ser visitado por pessoas alheias à família e à sua equipe de advogados. O PT, enquanto isso, oficiou ao governo federal pedindo que o chefe recebesse comida especial, para não ser envenenado na prisão. Governadores e outros peixes graúdos do PT e arredores tentaram visitar Lula em conjunto – apenas para chegar lá, fazer meia volta e ir embora, pois nenhuma penitenciária do mundo poderia aceitar uma coisa dessas. O PT prometeu que as “organizações populares”, os “movimentos sociais”, o “povo”, etc. iriam cercar o prédio onde Lula está preso e só sair de lá quando ele for solto. Conseguiram, até agora, juntar umas 500 pessoas no lugar onde deveria estar a multidão; estão amontoadas em barracas de lona, fazendo suas necessidades físicas na rua, espalhando lixo, incomodando os moradores das vizinhanças com pedidos de comida e de água e, de uma maneira geral, tornando Lula e o Complexo PT-PSOL-PCdoB mais odiados do que já são. Os grandes líderes que convocaram o povo a ficar lá até Lula ser solto deram uma passada e, depois, bem – você sabe. Um voou para Portugal. Outra foi para a Espanha. Nenhum cacique acampou; só vão à trincheira a passeio.
Dá para imaginar alguma coisa mais elitista do que uma esteira ergométrica pessoal? É impossível atrair simpatia, da mesma forma, dizendo coisas contrárias ao que o público está vendo com os seus próprios olhos. “A ficha está caindo”, disse um dos chefes, antes de sumir do acampamento rumo ao aeroporto de Curitiba. “A população vai começar a vir para cá”. Que população? Não apareceu uma única alma a mais depois dessa profecia. Também fica difícil imaginar como poderiam ajudar na soltura de Lula, entre as atividades de luta que o cerco à PF prometeu desenvolver, uma exibição de ioga, um espetáculo de teatro do MST e a oferta de uma cesta de produtos agro-ecológicos, segundo a descrição dos organizadores. O mesmo se pode dizer de atos religiosos não definidos, um encontro do movimento negro e uma “sessão” do Congresso Nacional que teve traço de audiência. Sobrou, fora isso tudo, a iniciativa da presidente do PT de incluir a palavra “Lula” no seu nome. Outros militantes prometem fazer o mesmo — sem que tenha sido possível entender, até agora, como um negócio desses poderia, na prática, ajudar o chefe a ser solto.
A última tentativa para libertar Lula é a circunstância, alegada pelo PT, de que ele está com pressão alta. Por que não? Para Deus nada é impossível.

NO BLOG DO JOSIAS
Chave de 2018 está na cadeia, indica Datafolha
Por Josias de Souza
Domingo, 15/04/2018 05:11
A nova pesquisa do Datafolha sinaliza que a definição do primeiro turno da sucessão de 2018 passará pela cadeia. Os dados indicam que, se abandonar suas crendices e começar a falar sério, o PT ainda pode influir no jogo. Quase metade do eleitorado (46%) revela alguma propensão para votar num nome indicado por Lula — 30% afirmam que farão isso com certeza. Outros 16% declaram que talvez sigam o caminho apontado pelo pajé petista.
Para ter o que comemorar em meio à desgraça, o PT precisaria virar o seu discurso do avesso. De saída, teria de aposentar a mistificação segundo a qual a Justiça brasileira é feita de tribunais de exceção, pois a maioria dos eleitores (54%) acha que o encarceramento de Lula foi justo. De resto, o petismo teria de desembarcar o quanto antes do trem-fantasma em que se converteu a candidatura Lula, pois 62% do eleitorado já se deu conta de que a fantasia descarrilou.
Enquanto o petismo nega a realidade, o eleitorado de Lula começa a migrar por conta própria. Num cenário em que aparece como Plano B do PT, Fernando Haddad herda apenas 3% das intenções de voto atribuídas a Lula. É coisa mixuruca se comparada com as fatias herdadas por Marina Silva (20%) e Ciro Gomes (15%). Até Jair Bolsonaro, Geraldo Alckmin e Joaquim Barbosa beliscam mais votos do legado de Lula (5% cada um) do que o petista Haddad.
Outro dado notável é que um pedaço expressivo do eleitorado do preso mais ilustre da Lava Jato (32%) decidiu fazer um pit-stop. Sem rumo, esse um terço informa que, se tivesse de comparecer às urnas hoje, anularia o voto ou votaria em branco. É gente que parece aguardar por uma sinalização qualquer de Lula.
O Datafolha apresenta o universo total do eleitorado como um bololô dividido em três grandes fatias. A fatia anti-Lula (31% dos brasileiros com direito a voto) continua detestando o PT e ruminando sua aversão a Lula. Nesse nicho, 32% votam na direita paleolítica representada por Jair Bolsonaro.
O pedaço do eleitorado pró-Lula, 100% feito de devotos, não se aborreceria se a divindade presa em Curitiba pedisse votos para um poste. Como Lula ainda não pediu, pedaços da procissão começam a seguir outros andores, especialmente os de Marina e Ciro. Mas a maioria continua fazendo suas preces diante de um altar vazio.
De resto, existe a fatia da geleia geral (37% do eleitorado), que balança na direção de várias candidaturas. Destacam-se nesse grupo, por ora, os partidários de Bolsonaro e Marina. Mas ambos têm menos votos do que o bloco dos brancos e nulos. Ninguém se anima a votar numa hipotética candidatura de Lula no primeiro turno. Mas muitos não descartariam a hipótese de votar nele num eventual segundo round.
Para efeito de sondagem, o Datafolha incluiu o ficha-suja Lula em alguns cenários pesquisados. No principal, o candidato inelegível do PT amealhou 31% dos votos, seis pontos percentuais a menos do ele colecionava em janeiro. Sem Lula, Marina (entre 15% e 16%) encostou em Bolsonaro (17%). A dupla está tecnicamente empatada. Segue-se um amontado de concorrentes.
Desde 1994, quando Copa e eleições passaram a ocorrer no mesmo ano, os candidatos sabem que, enquanto não for decidido o torneio de futebol, a campanha política é um pesadelo que atrapalha o sonho de erguer a taça. Mas a prisão de Lula obriga o PT a adiantar o relógio.
Numa disputa com muitos candidatos, em que um cesto com menos de 20% dos votos pode levar para o segundo turno um pretendente ao trono, parece claro como água de bica que a herança eleitoral de Lula pode influir nos rumos da disputa. Resta saber se o petismo deseja jogar o jogo ou se vai continuar tentando cavar faltas.

NO O ANTAGONISTA
O “tititi da orfandade” petista
Brasil Domingo, 15.04.18 08:35
O PT viveu esta semana um “tititi de orfandade” por causa da ausência de Lula.
Foi o que disse ao Globo um participante da reunião de dirigentes petistas em São Paulo.
A legenda vive uma divisão entre os que pretendem discutir alternativas e estratégias para as eleições presidenciais num cenário sem Lula, como Fernando Haddad e Jaques Wagner, e o grupo que só aceita falar na candidatura do ex-presidente, encabeçado pela própria Gleisi, registra o jornal.
“Em declarações públicas, Haddad e Wagner têm reafirmado que o candidato petista é Lula, mas, ao mesmo tempo, ambos tentam convencer os dirigentes do PT de que o apoio a um candidato de outro partido, principalmente Ciro Gomes (PDT), é uma possibilidade que deve ser discutida.”
É duro ser órfão de presidiário corrupto e lavador de dinheiro.

A queda de Lula no Datafolha
Brasil 15.04.18 06:40
Lula tinha 37% dos votos no Datafolha.
Agora caiu para 30% ou 31%, dependendo do cenário pesquisado.
O presidiário, de uma hora para a outra, perdeu um quinto de seu eleitorado.
A queda vai aumentar nas próximas semanas, porque ele está na cadeia, incomunicável, e porque seus crimes vão se tornar mais conhecidos entre aqueles que ainda o apoiam.

Lula se adapta à vida de presidiário
Brasil 15.04.18 08:08
Lula não tem reclamado da comida nem do tratamento recebido na carceragem da Polícia Federal em Curitiba, registra o Painel da Folha.
“Por ora, a defesa não cogita pedir a transferência do ex-presidente.”
Seria um acinte aos 14,83 milhões de miseráveis (dados do IBGE) que o lulopetismo legou ao País que Lula reclamasse da comida da prisão.

A prisão perpétua de Lula
Brasil 15.04.18 08:00
Em reunião em São Paulo, os principais dirigentes e lideranças do PT avaliaram que Lula só terá a sua prisão revertida se o partido conseguir ampliar as mobilizações em seu favor, tanto entre a população como no mundo político, registra O Globo.
“A situação do Lula vai depender da mobilização”, afirmou Paulo Okamotto, presidente do Instituto Lula, ao ser questionado sobre quando espera vê-lo solto.
Se depender de mobilização de massa, Lula passará o resto da vida na cadeia.

Lula acabou
Brasil 15.04.18 06:36
Para 62% dos brasileiros, Lula estará fora das urnas em outubro.
Por mais que o PT insista em manter sua candidatura, o eleitorado sabe que presidiário não pode se eleger presidente da República.

A “situação delicada” das empreiteiras do Petrolão
Brasil Sábado, 14.04.18 21:00
Multas bilionárias impostas pelos acordos de leniência, dívidas extremamente elevadas e o brusco encolhimento das carteiras de projetos colocaram as grandes construtoras do País, todas envolvidas na Lava Jato, numa situação delicada, que não deve mudar tão cedo, segundo O Globo.
“Os problemas são muitos. Odebrecht e Andrade Gutierrez, por exemplo, negociam com bancos a contratação de novos créditos para arcar com compromissos milionários que vencem este mês. A UTC está em atraso com o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) em um dos acordos fechados no âmbito das investigações de corrupção, e a OAS está com os salários de parte de seus funcionários atrasados”, diz O Globo.
A todos os empreiteiros que não querem passar por nada disso, a recomendação é singela: não paguem propina a políticos em troca de contratos públicos.

A arte de Aécio
Brasil 14.04.18 20:00
A defesa de Aécio Neves pediu ao STF para transferir de endereço 15 quadros e uma escultura apreendidos pela Polícia Federal em maio do ano passado, em uma operação de busca e apreensão, informa O Globo.
“As obras de arte estão em um apartamento mantido pelo parlamentar na Avenida Vieira Souto, no Rio de Janeiro. (…) Aécio informou que quer alugar o imóvel. Por isso, pede para transferir os objetos para outro apartamento da família, na Avenida Atlântica.”
A decisão será de Marco Aurélio “Tempos Estranhos” Mello.

Em busca da senha ‘perdida’
Brasil 14.04.18 18:30
Os peritos criminais da PF estão desenvolvendo uma interface paralela para ter acesso integral ao My Web Day, o sistema de registro da propina da Odebrecht, informa Juliana Braga no Globo.
“Com o auxílio de técnicos da empreiteira, os peritos conseguiram achar um meio para retirar alguns dados, mas os acessos e as funcionalidades são restritas.
Isso tudo porque nem Marcelo Odebrecht, nem nenhum dos outros 76 delatores da empresa informaram a senha do sistema, sob a alegação de não tê-la encontrado.
A PF segue tentando descobri-la, por meio de análise combinatória. Mas não apostam todas suas fichas nisso. A senha é composta por mais de 20 caracteres, que podem ser maiúsculos, minúsculos, números, ou especiais, como uma interrogação.”

A bolsa de R$ 11 mil da mulher do operador do MDB
Brasil 14.04.18 17:30
No álbum de fotos de um dos celulares usados pelo lobista Milton Lyra, operador do MDB preso na quinta-feira, havia a imagem de uma bolsa Louis Vuitton comprada por R$ 11 mil em um shopping do Rio de Janeiro, informa a coluna Expresso, da Época.
“A nota fiscal está em nome de Daniela, mulher de Lyra.”
O amor é lindo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário